18/10 – Dia do Médico. Parabéns!

18/10 – Dia do Médico. Parabéns!

18/10 – Dia do Médico. Parabéns! 18Outubro
Dra. Caroline Morais Viezzer, a coordenadora e médica intensivista de uma das UTIs do Hospital Beneficente São Carlos .

Outubro, além de rosa, também tem a cor dos uniformes que os médicos vestem, pois neste mês comemora-se o Dia do Médico, 18/10. Em homenagem a todos eles - e valorizando a magnífica entrega destes profissionais, principalmente nestes tempos de pandemia - entrevistamos a coordenadora e médica intensivista de uma das UTIs do Hospital Beneficente São Carlos, dra. Caroline Morais Viezzer, a caxiense de 31 anos, que chegou a estudar um semestre de Medicina na Universidad de Cordoba, na Espanha.

Dra. Caroline, especializada em Clínica Médica e Terapia Intensiva, é a primeira atuante na área da saúde em sua família. “Quando criança pensava em ser dentista. Ao crescer, passei a gostar de assistir seriados e filmes com temas médicos, especialmente o seriado ER (Emergency Room), que me deixava fascinada. O desejo de ser médica aflorou durante o ensino médio. Passei a sentir que era essa a profissão que me faria feliz. Acertei! ”, confessa a médica, que diz “gostar de poder intervir de forma tão crucial no desfecho de uma doença e ver as ações e esforços resultarem em melhora ou alívio de sofrimento para o paciente”.

Da felicidade da escolha profissional nascem as observações dos pontos mais transformadores da carreira de um médico:

1 - “A primeira e grande transformação ocorre quando, na prática diária, percebemos que a Medicina não é sobre tratar de doenças, e sim sobre cuidar de pessoas. Os pacientes confiam a nós não somente seus corpos, mas seus segredos, medos, angústias. Compreender a magnitude disso torna as competências/ habilidades técnicas tão importantes quanto a empatia, o respeito e a priorização do lado humano da profissão”.

2 – “Outra grande transformação ocorre quando percebemos que podemos dar nosso melhor, e ainda assim isso não ser suficiente para salvar um paciente. Nesse aspecto, lidar com as frustrações exige equilíbrio emocional. Compreender que não estamos no controle de tudo nos torna mais resilientes”, pontua.

Pandemia

Atuando em Unidades de Terapia Intensiva, Dra. Caroline vive os assombros da Covid-19, doença que ensinou muito. “Aprendi a valorizar mais o momento presente, pois a doença pode bater à porta de qualquer um quando menos se espera. Ela não escolhe gênero, idade, condição social, e nem há como predizer a forma como cada um evoluirá. Por isso atualmente valorizo mais a importância de demonstrar constantemente afeto, procuro não deixar assuntos não resolvidos pendentes e tento colocar um pouco de alegria em tudo que faço”, admite.

Segundo ela, atualmente estamos em um momento melhor. “A perspectiva é otimista se a população seguir o ritmo de vacinação. As taxas de ocupação em leitos de enfermaria e UTI estão menores, mas é importante destacar que ainda perdemos pacientes, especialmente os não vacinados”, afirma.

Dra. Caroline dedica as manhãs ao Hospital Beneficente São Carlos, onde trabalha juntamente com a Dra Júlia Raymondi Bossardi.

Em seus planos para o futuro estão a especialização em gestão de UTI e o casamento com o companheiro que tem há 16 anos.

Àqueles que estão pensando em optar pela profissão, Dra. Caroline aconselha: “Somente trilhe esse caminho quem realmente tem paixão por Medicina e por cuidar de pessoas. O caminho é árduo e exige sacrifícios, mas certamente é gratificante para quem gosta do que faz”, encerra com propriedade.

A todos os médicos que emprestam seus conhecimentos à cura e bem-estar das pessoas, nossos agradecimentos e felicitações pelo Dia do Médico.

 

 


Comentários (0)

Deixe o seu comentário