Profissionais do HBSC são os primeiros a serem imunizados em Farroupilha

Profissionais do HBSC são os primeiros a serem imunizados em Farroupilha

Profissionais do HBSC são os primeiros a serem imunizados em Farroupilha 19Janeiro
Dr. Ricardo, Clacir, Neila, Daiane e Dr. Ronaldo: os primeiros profissionais de saúde a receberem a vacina.

Foto por Divulgação HBSC

“A vacina representa um alento para cada profissional que está na linha de frente do enfrentamento da Covid-19. Que seja o começo do fim desta pandemia, que está crítica neste momento”. Esta frase da superintendente do Hospital Beneficente São Carlos, Janete Toigo D´Agostini, resume o papel da vacina dentro da instituição. E o alento começou a ser sentido na tarde 19 de janeiro, mesmo dia em que as 700 doses chegaram ao município. 

Daiane Feraboli, técnica de enfermagem, Neila Carla dos Santos, enfermeira, Ronaldo Barbieri, médico pneumologista, Clacir Rosa Feraboli, higienizadora e Ricardo Fonseca Francio, médico responsável pelo Pronto Socorro, foram os primeiros da instituição a receberem a vacina, ato acompanhado pelas autoridades e imprensa local.

“Esta vacina vem para nos fortalecer mais para este enfrentamento, é um avanço para podermos continuar nosso trabalho. Estou muito feliz”, afirmou a coordenadora de enfermagem Neila Carla dos Santos, 53 anos.

Felicidade é o que experimentaram os cinco profissionais do hospital imunizados com a tão esperada vacina. “Estou muito feliz em ser uma das primeiras profissionais a receber a vacina, a esperança se renova e continuamos com todos os cuidados necessários no combate à Covid-19”, ressaltou a técnica de enfermagem Daiane Feraboli, 32 anos, a primeira a ser imunizada nas dependências do HBSC.

Ao lado dela, a higienizadora Clacir, 48 anos, também não escondia a alegria pela vacina. “É a esperança”, resumia sorridente.

 “Tenho muito orgulho do Hospital São Carlos, que a cada dia busca trazer melhorias para a população e a vacina chega exatamente para isso: para melhorar a saúde da população em se tratando do Coronavírus e assim a gente consegue gastar energia e atenção com outras doenças que infelizmente não são resolvidas com a vacina”, lembrou Dr. Ricardo Francio, 31 anos.

“É uma injeção de esperança, uma injeção de ânimo nas nossas equipes, talvez seja o marco do início do fim dessa doença e a gente sabe que ainda tem muito trabalho pela frente, pois vai demorar para a pandemia acabar, mas é o início sim, o que nos deixa muito felizes e muito honrados de poder fazer parte dessa história”, resumiu o médico pneumologista Ronaldo Barbieri, 46 anos.

Exatamente por termos um caminho a percorrer com a doença, é preciso continuarmos com todos os cuidados que ela requer, como frisou a superintendente do HBSC. “Estamos em um momento crítico da pandemia e temos que intensificar os cuidados. Não é hora de pensar que temos a vacina e podemos relaxar, muito ao contrário: precisamos estar ainda mais atentos”.

Com atenção sim, e ainda mais esperançosos com o início de dias melhores. Para todo o mundo.




Comentários (0)

Deixe o seu comentário